Perguntas mais frequentes

Sobre os produtos 1Pure

O é CBD?

Canabidiol, ou simplesmente CBD, é um composto ativo encontrado na cannabis. O CBD não é psicoativo e há diversos estudos sobre suas aplicações medicinais. O CBD que isolamos no 1Pure é derivado de cannabis de origem 100% orgânica, obtida exclusivamente de produtores nos Estados Unidos e na União Européia.

O 1Pure tem THC ?

O 1Pure não conta com nenhum traço de THC. O 1Pure é aproximadamente formado por 99,82% de CBD

O que torna o 1Pure diferente?

Nossos produtos são criados e concebidos com base em três critérios de definição: consistência, biodisponibilidade e gosto. Nossos concorrentes menos avançados dependem principalmente de óleos de cânhamo com sabor e eficácia inconsistentes - A quantidade de CBD está sempre mudando em cada lote de seus produtos.

O CDB é seguro de tomar ou ingerir?

O CBD pode ser absorvido ao longo do processo digestivo, sublingual e topicamente. O método sublingual fornece a melhor absorção, como sugerem os estudos. A maioria desses estudos conclui que o CBD é seguro e praticamente livre de efeitos colaterais. A administração controlada de CBD mostrou-se segura e não tóxica em humanos, animais de estimação ou outros mamíferos. Além disso, a conclusão foi que o CDB não induz modificações na ingestão de alimentos nem afeta os parâmetros fisiológicos, como freqüência cardíaca, temperatura corporal ou pressão arterial. De acordo com esta avaliação, altas doses de até 1.500 mg / dia de CBD parecem ser bem toleradas em seres humanos. No entanto, alguns estudos mencionam alguns efeitos colaterais potenciais para o canabidiol, como a inibição do metabolismo hepático ou a diminuição da atividade da glicoproteína-P. O CDB pode de fato interagir com uma série de produtos farmacêuticos, pois inibe a atividade de algumas enzimas hepáticas chamadas citocromo P450. Outros estudos mencionam a sensação seca desagradável na boca como um efeito colateral do CBD. Este efeito parece ser causado pelo envolvimento do sistema endocannabinoide na inibição da secreção de saliva. Portanto, qualquer pessoa interessada em tomar CBD, incentivamos que realize pesquisa on-line e consulte um profissional da saúde sobre o uso e administração pessoal.

Qual é o melhor método para tomar CBD?

A melhor maneira de tomar CBD é Sublingual. Essencialmente, quando um medicamento é colocado sob sua língua, ele difunde através das membranas mucosas abaixo da sua língua. E por causa da abundância de capilares lá, o medicamento tem uma rota bastante direta em sua corrente sanguínea. Portanto, desta forma, o medicamento funciona mais rápido e, muitas vezes, melhor.

Quando você engole uma pílula, ela deve passar por todo o trato gastrointestinal. Isso significa o estômago (com ácido e bile), os intestinos (onde ocorre a maior parte da absorção) e depois o fígado, para mais filtragem. E ENTÃO é entregue para onde é necessário. Passar por baixo da língua ignora toda essa rota e entrega a medicação diretamente à circulação sanguínea.

Como que eu pago pelo meu produto?

....You can pay either by credit card, wire transfer,  PayPal and Amazon. ..O pagamento pode ser feito por cartão de crédito, wire transfer, PayPal e Amazon. ..El pago puede hacerse con tarjeta de crédito, transferencia bancaria, PayPal y Amazon. ....

Como faço para receber meu produto em outro país?

....We ship to more than 30 Countries around the world. Please contact us via email: ..Nós enviamos para mais de 30 países do mundo. Basta entrar em contato conosco pelo e-mail: ..Enviamos a más de 30 países en todo el mundo. Póngase en contacto por correo eletrónico:....contato@1pure.com.br ....for more information. ..para mais informações. ..para más información. ....

Você pode ser pego em um exame toxicológico com o nosso produto?

....One of the many reasons that our 1Pure CBD is available in USA and other countries is because it does not contain THC. Since our product is completely isolated from the other active components of cannabis, it won't contain THC. ..Uma das muitas razões para o que o nosso 1Pure CBD esteja disponível nos EUA e em outros países é pelo fato de ele não conter THC. Como nosso produto está completamente isolado dos outros componentes ativos da cannabis, não há vestígios de THC. ..Una de las muchas razones por lo que nuestro 1Pure CDB está disponible en los EE.UU. y otros países se debe a que no contiene THC. A medida que nuestro producto está completamente aislado de otros componentes activos del cannabis, no hay rastro de THC. ....

....The SAMHSA guidelines set the cutoff point for THC at 50 ng/ml. In cases of false positives, a second confirmatory test has a cutoff for 15 ng/ml, but tests only for an even more specific THC metabolite. Common drug screens also have very little cross-reactivity for other cannabinoid compounds such as CBD, CBG, and CBN. ..As diretrizes da SAMHSA estabeleceram o ponto de corte para THC a 50 ng/ml. Nos casos de falsos positivos, um segundo exame para averiguação irá considerar um limite de 15 ng/ml, mas apenas após testes ainda mais específicos para um metabolito de THC. Os exames toxicológicos comuns têm também muito pouca reatividade cruzada para outros compostos canabinóides, tais como CBD, CBG e CBN. ..Las directrices SAMHSA establecen el punto de corte para THC en 50 ng / ml. En los casos de falso positivo, una segunda prueba para investigar considerará un límite de 15 ng / ml, pero sólo después de más pruebas específicas para los metabolitos de THC. Pruebas de drogas comunes también tienen muy baja reactividad cruzada con otros compuestos cannabinoides, tales como CDB, CBN y CBG. ....

....The main concerns about failed drug tests are for medical cannabis users who use products that contain THC. Heavy consumers of Hemp Oil (in the thousands of mg per day) may also give a positive result due to the minute amounts of THC, but consumers our 1Pure product, should have nothing to fear. Therefore, our product will not make you fail a drug test and are a good choice for consumers who are concerned about passing or failing employer drug screens. ..As principais preocupações sobre esses exames toxicológicos são no caso de usuários de cannabis medicinal em produtos que contêm THC. Os consumidores frequentes ​​de óleo de cânhamo (nos milhares de mg por dia) também podem ter um resultado positivo devido às quantidades reduzidas de THC. Mas quem consome o 1Pure não deve ter nada a temer. Portanto, nosso produto não vai fazer você ser pego numexame toxicológico e é uma boa escolha para os consumidores que estão preocupados em passar ou ser reprovado em exames desse tipo para conseguir emprego, por exemplo. ..Las principales preocupaciones acerca de estas pruebas de drogas son en el caso de los usuarios de cannabis medicinal en productos que contienen THC. Consumidores de aceite de cáñamo común (en miles de mg por día) también pueden tener un resultado positivo debido a cantidades reducidas de THC. Pero, quién consume 1Pure no debería tener nada que temer. Por lo tanto, nuestro producto no le hará quedar atrapado en una prueba de drogas y es una buena opción para los consumidores que se preocupan de pasar o reprobar en este tipo de pruebas para obtener puestos de trabajo, por ejemplo. ....

Sobre a Epilepsia

A epilepsia é uma condição do cérebro que é caracterizada por convulsões recorrentes. Aproximadamente uma em cada dez pessoas tem pelo menos uma convulsão durante a vida. Uma única convulsão, no entanto, não é epilepsia. A epilepsia é uma condição que é definida por convulsões múltiplas.

Trata-se, então, de um distúrbio convulsivo. Não é um transtorno psicológico nem uma doença e não é contagiosa. O cérebro é formado por bilhões de células nervosas ou neurônios que se comunicam através de sinais elétricos e químicos. Quando há uma súbita descarga elétrica excessiva que interrompe a atividade normal das células nervosas, pode ocorrer uma convulsão.

As convulsões causam uma mudança na função ou no comportamento. Uma convulsão pode tomar muitas formas diferentes, incluindo um branco no olhar, espasmos musculares, movimentos descontrolados, consciência alterada, sensações estranhas ou um tremor. A localização no cérebro de células nervosas anormais determina a forma que a convulsão irá tomar. As convulsões podem ocorrer raramente ou várias vezes por dia. Se a condição for controlada com sucesso por medicação, uma pessoa pode ficar livre das convulsões.

A epilepsia é uma das doenças neurológicas crônicas mais comuns. Estima-se que 50 milhões de pessoas no mundo sofram com esse problema. Isso significa que aproximadamente 1% da população mundial tem epilepsia.

A epilepsia pode estar presente em qualquer idade. No entanto, seu início costuma ser mais frequente na infância ou nos últimos anos de vida. Às vezes, aqueles que desenvolvem convulsões durante a infância superam isso com o tempo. Nos idosos, há um aumento da incidência devido a acidentes vasculares cerebrais e envelhecimento do cérebro. Em mais da metade das pessoas com epilepsia, convulsões podem ser bem controladas com medicação anticonvulsivantes.

Uma convulsão é uma onda breve, anormal, com atividade elétrica excessiva no cérebro que produz uma mudança às vezes perceptível no comportamento. Há muitos tipos diferentes de convulsões, que podem refletir a área de onde a apreensão começa (foco de apreensão) e o padrão em que a descarga elétrica anormal se espalha pelo cérebro.

A pessoa pode experimentar sensações corporais como "pinos e agulhas", cheiros, sons, medo, depressão, distorções de estímulos sensoriais, empurrões momentâneos ou assentimentos de cabeça, olhando com perda de consciência e movimentos convulsivos.

Convulsões geralmente duram de segundos a minutos. Mais do que isso é raro. O período imediatamente após uma convulsão, chamado de "período postictal", varia dependendo da duração, intensidade e tipo de convulsão. Os sintomas mais comuns que uma pessoa pode experimentar imediatamente após uma crise convulsiva são confusão, dor muscular, dor de cabeça e fadiga.

Algumas pessoas têm ainda o que é chamado de aura. Trata-se de um "sistema de alerta precoce" para convulsões. Uma aura é uma sensação ou impressão estranha que é na verdade uma crise convulsiva parcial simples (veja tipos de convulsões abaixo). As auras podem consistir em vertigem, uma sensação incomum no estômago, zumbido no ouvido, uma emoção muito forte, ou qualquer sensação que seja. Muitas pessoas não percebem que têm uma aura até rever os seus sintomas com um médico.

Depois de ter uma convulsão, tente lembrar se você notou algo incomum no início (como uma sensação ou impressão inexplicável) e anotar tudo. Depois de um tempo, se você notar que há um padrão, então talvez você tenha detectado um sistema de alerta precoce para suas convulsões.

A classificação da crise convulsiva é meramente descritiva e não tem implicações quanto à causa do transtorno. É importante porque pode ajudar a determinar o tipo de tratamento que você necessita. Para determinar como as convulsões são classificadas, no entanto, é necessário compreender como o cérebro trabalha.

O cérebro é como uma equipe de trabalhadores. Cada membro da equipe tem um determinado trabalho a fazer. Isso significa que certas partes do cérebro são responsáveis ​​por certas obrigações. Uma parte do cérebro é responsável pelo que vemos; outra parte, pelo movimento; outra, ainda, ​​pela fala, cheiro ou gosto.

Todas as partes do cérebro se comunicam por meio de uma rede de células chamadas "neurônios". Os neurônios, por sua vez, interagem através de pequenas cargas elétricas que percorrem caminhos nervosos semelhantes à eletricidade em um fio.

Uma crise convulsiva pode ser classificada como uma convulsão "generalizada" se houver uma descarga descontrolada de neurônios que afeta ambos os lados do cérebro desde o início. Se a descarga descontrolada de neurônios ocorrer apenas em uma parte isolada do cérebro, é uma convulsão "parcial" ou focal.

Classificação & Tipos de Convulsões

Convulsões Generalizadas

As convulsões generalizadas começam com uma descarga elétrica difusa e excessiva simultaneamente envolvendo ambos os lados do cérebro (ou seja, o cérebro inteiro). Os principais tipos de convulsões generalizadas primárias são as tônico-clônicas, crises de ausência, convulsões mioclônicas, convulsões clônicas, convulsões atônicas e convulsões tônicas.

a) Convulsões tônico-clônicas generalizadas (anteriormente chamadas de Grand Mal) são aquelas que  começam com a perda de consciência. Têm uma fase tônica (enrijecimento do corpo), uma queda e muitas vezes um choro causado pelo ar forçado através de cordas vocais contratadas. A fase clônica subsequente consiste em sacudir os membros superiores e inferiores. A respiração pode ser superficial e irregular. A pele pode ficar azul devido a uma parada respiratória. Convulsões tônico-clônicas podem durar vários minutos ou até mais. Outros sintomas que podem ocorrer durante este tipo de convulsão são a produção excessiva de saliva, mordida na língua ou bochecha e perda de controle da bexiga ou do intestino. A pessoa vai se recuperando lentamente.

Os sintomas postictais (pós-convulsão) podem incluir dor de cabeça, confusão e fadiga duradoura de minutos a horas. Pouco depois que a consciência for recuperada, a pessoa costuma adormecer.

Quando as convulsões tônico-clônicas duram mais de cinco minutos (sem incluir a fase pós-tital) ou a pessoa tiver duas ou mais uma atrás da outra, deve-se procurar atendimento médico (ver Primeiros Socorros). Quando as crises tônico-clônicas acontecem em uma série de três ou mais convulsões ou duram mais de 30 minutos, a condição é conhecida como Status Epilepticus. O status epilepticus pode representar risco de morte. É necessário atendimento médico imediato nesses casos.

b) Convulsões de ausência (antigamente chamadas de Petit Mal) consistem em breves episódios de olhar fixo por um período de 5 a 30 segundos. A deficiência da consciência começa sem aviso e termina de repente, deixando a pessoa alerta e atenta. Pequenos movimentos repetitivos, como piscar os olhos, geralmente são associados a este tipo de convulsão. Se a convulsão durar mais de 10 segundos, podem ser observados movimentos breves da boca ou da mão.

Uma pessoa pode ter 50 a 100 crises de ausência por dia. Sem tratamento, as convulsões podem interferir na aprendizagem. Convulsões de ausência quase sempre começam na infância (De quatro a 14 anos de idade) e muitas vezes se resolvem no fim da adolescência.

c) Convulsões mioclônicas ocorrem como sacudidas breves de um músculo ou choque de um grupo de músculos. Convulsões mioclônicas epilépticas geralmente causam movimentos anormais em ambos os lados do corpo ao mesmo tempo. O pescoço, ombros, parte superior dos braços, corpo e pernas costumam ser as partes envolvidas nesse processo. Movimentos semelhantes ao mioclonus podem ocorrer em pessoas saudáveis ​​que não têm epilepsia. Por exemplo, como muitas pessoas adormecem, seus corpos de repente sentem um empurrão (referido como "começo do sono " ou "empurrão do sono”.

d) Convulsões tônicas geralmente duram menos de 20 segundos e estão associadas a a movimentos bruscos de rigidez do corpo, braços ou pernas, envolvendo ambos os lados do corpo. Esse tipo é mais comum durante o sono.

Convulsões atônicas geralmente começam na infância (com duração inferior a 15 segundos) e estão associadas com uma perda abrupta do tônus muscular que faz com que as pálpebras caiam ou a cabeça comece a ceder. A pessoa pode deixar cair coisas ou elas mesma cair ao chão. Podem ocorrer lesões repetidas como resultado deste tipo de ataque.

Convulsões parciais

Convulsões parciais começam com uma explosão anormal de atividade elétrica em uma área restrita do cérebro. Os sinais e sintomas de uma convulsão parcial dependem de que parte do cérebro está envolvida durante a convulsão. Convulsões parciais simples e complexas são os principais tipos de convulsões parciais.

Neste contexto, 'simples' não implica perda de consciência. 'Complexo' refere-se a quando a consciência ficar comprometida. Se uma convulsão parcial se propaga a partir de uma pequena parte do cérebro para envolver os dois lados é chamada de convulsão parcial que se torna 'secundariamente generalizada'. Essa convulsão começa com características sutis, mas pode se tornar uma convulsão tônico-clônica quando a atividade elétrica anormal se espalha para todo o cérebro.

.a) Convulsões parciais simples deixam a pessoa alerta e capaz de lembrar o que aconteceu depois, uma vez que a consciência não é prejudicada. Uma convulsão parcial simples pode consistir em nada mais do que uma sensação estranha (como um formigamento em parte do corpo) ou um movimento rítmico de um membro, parte dele ou do rosto. Qualquer dos sentidos pode ser afetado (toque, cheiro, paladar, visão e audição). Convulsões parciais simples podem durar de segundos a minutos e, às vezes, precedem uma convulsão parcial complexa ou uma convulsão tônico-clônica secundariamente generalizada. Sintomas menores ou difusos podem passar despercebidos.

b) Convulsões parciais complexas são o tipo mais comum de convulsões parciais tanto em crianças quanto em adultos. Este tipo de convulsão é acompanhado por uma diminuição da consciência e pode ser precedido por uma simples convulsão parcial (a aura). A convulsão pode começar com sensações estranhas, como medo, náuseas, cheiros, gostos ou déjà vu, dependendo do local do cérebro onde a convulsão se inicia.

.A pessoa pode ficar com o olhar atordoado e confuso e fazer movimentos repetitivos, como contração dos lábios, mastigação, ou movimentos do corpo e da mão. Às vezes, a pessoa pode falar de forma inadequada ou realizar tarefas que parecem sem fundamento. A pessoa não vai se lembrar de nada do que fez após a convulsão.

Uma convulsão parcial complexa pode durar de um a cinco minutos e pode ser seguida de sonolência ou confusão. Se a convulsão se espalhar para outras regiões do cérebro, essa convulsão parcial complexa pode evoluir para uma convulsão tônico-clônica generalizada.

De acordo com pesquisadores, entre 0,5% e 1% da população mundial sofre com epilepsia – uma quantidade estimada de 50 milhões de pessoas no mundo. A maioria dos casos de epilepsia começa em idades extremas (infância e velhice), mas novos casos podem acontecer em qualquer idade (dependendo do caso).

São muitos os recursos que um médico pode usar para determinar o diagnóstico de epilepsia. O histórico clínico do paciente é essencial para o diagnóstico. Uma descrição cuidadosa das circunstâncias e eventos anteriores, durante e posteriores à convulsão fornece pistas essenciais para determinar um diagnóstico de epilepsia. Relatos do paciente e de outras testemunhas podem fornecer informações valiosas para o médico.

Alguns testes podem ajudar a determinar o diagnóstico de epilepsia. Mas nem todos os pacientes necessitam de todos eles para descobrir a doença.

a) O eletroencefalograma (EEG) é o teste mais preciso para o diagnóstico de epilepsia, já que ele registra a função elétrica do cérebro (lembre-se, a epilepsia é um distúrbio que causa anormalidade na função elétrica). Usando pequenos eletrodos (discos de metal lisos) ligados ao couro cabeludo com uma pasta pegajosa, a atividade elétrica produzida pelo cérebro é registrada. O teste é indolor e inofensivo e leva aproximadamente uma hora e meia do início ao fim.

Às vezes, o cérebro funciona perfeitamente durante um EEG. Portanto, pacientes com epilepsia não necessariamente apresentam sempre uma anormalidade no EEG com uma única gravação. As descargas elétricas anormais são mais prováveis ​​de serem detectadas após múltiplas ou prolongadas gravações. Em algumas situações, as pessoas podem ser convidadas a permanecerem acordadas a noite toda antes de realizarem um EEG, já que uma atividade elétrica anormal pode se expressar durante o teste de EEG após a privação do sono. O padrão do EEG gravado ajuda a definir os tipos de convulsões.

b) Vídeo eletroencefalograma
Um EEG de rotina (mesmo com privação de sono) pode não fornecer as informações necessárias para o diagnóstico e tratamento. Pode ser necessário gravar um vídeo eletroencefalograma durante as convulsões reais. Para submeter-se ao vídeo-EEG, uma pessoa deve dar entrada no hospital e ser monitorada, tanto por EEG quanto por uma câmera de vídeo, 24 horas por dia. O Video-EEG é essencial na avaliação pré-operatória de pessoas que estarão sujeitas à cirurgia de epilepsia.

c) A tomografia [RA1] axial computorizada (TC) examina a estrutura cerebral. Durante uma tomografia computadorizada, é feito um foco de feixe fino de raios-X em volta da cabeça do paciente. O tubo de raio-X se move no entorno do local captando muitas imagens, que são processadas por um computador. Um "corante" especial pode ser injetado para tornar as imagens mais claras.

Este teste é realizado para tentar identificar uma causa para a epilepsia ou convulsões (acidente vascular cerebral, tumor, entre outros).

d) A ressonância magnética fornece imagens muito precisas e legítimas da estrutura do cérebro, usando um ímã gigantesco, ondas de rádio e computador. Assim como a tomografia computadorizada, a ressonância magnética também é realizada para tentar encontrar uma causa para o diagnóstico de epilepsia.

e) Neuropsicologia
Problemas de memória e outras dificuldades cognitivas são comuns em pessoas com convulsões. O psicólogo que realiza a avaliação neuropsicológica verificará sua situação em particular. Isso é feito por meio de uma entrevista e alguns testes. O psicólogo perguntará como a epilepsia afetou sua vida pessoal, social, acadêmica e vocacional. Além disso, o profissional irá te dar papel e lápis para testes de memória, atenção, pensamento, raciocínio, habilidades motoras, linguagem e habilidades espaciais. A avaliação neuropsicológica leva cerca de cinco horas, divididas em sessões mais curtas.

Uma avaliação neuropsicológica pode descobrir se as funções da fala são controladas pelo lado esquerdo ou direito do cérebro. Além disso, o padrão de pontos fortes e fracos que é mostrado nos resultados do teste diz ao médico que partes do cérebro estão saudáveis ou comprometidas. Uma avaliação neuropsicológica pode descobrir se as funções da fala são controladas pelo lado esquerdo ou direito do cérebro. Além disso, o padrão de pontos fortes e fracos que é mostrado nos resultados do teste diz ao médico que partes do cérebro estão saudáveis ou comprometidas.

f) Teste de Amorbarbita
Antes da cirurgia de epilepsia, um paciente pode ser submetido a testes de sódio-amytal (ou amorbarbital), a fim de certificar-se de que a memória e funções de fala não estão localizados na parte do cérebro que será removida. O neurorradiologista injeta uma medicação no suprimento de sangue para o cérebro, colocando a metade do cérebro para dormir por aproximadamente 10 minutos. Durante esse tempo, o neuropsicólogo questiona o paciente para revelar quais funções são preservadas na "metade acordada" do cérebro. O teste sódio-amital demora cerca de uma hora para ser concluído.

ENDEREÇO

EndoPure Hodings, LLC
888 Prospect Suite 200
La Jolla, CA
92037
Estados Unidos